Seade confirma US$ 2,4 bilhões em investimentos anunciados no 4º trimestre de 2017 para o Estado de São Paulo

Investimentos anunciados para São Paulo foram de US$ 2,4 bilhões no 4º trimestre de 2017

 Relativamente ao trimestre anterior, houve redução de 50,2%.

 Na comparação interanual, porém, os investimentos mais que quadruplicaram.

 Valor acumulado em 2017 (US$ 18,7 bilhões) representa avanço de 133% em relação a igual período de 2016 (US$ 8,0 bilhões).

 Entre os setores, a maior participação coube aos serviços (39,1%), sendo que mais da metade dos recursos refere-se ao segmento de alugueis não imobiliários.

 A indústria representou outros 31,4%, com a liderança do ramo de outros equipamentos de transporte.

 Em infraestrutura (21,7%), os destaques foram o subsetor de energia e gás e as atividades auxiliares dos transportes.

 Na sequência, vêm o comércio (4,2%) e outros setores (3,6%).

 A distribuição regional dos investimentos anunciados revela que 41,2% das inversões destinaram-se à Região Metropolitana de São Paulo (US$ 990,3 milhões), 25,1% para a Região Administrativa de Campinas (US$ 601,8 milhões) e 12,6% para a de São José dos Campos (US$ 302,2 milhões).

No quarto trimestre de 2017, a Piesp confirmou anúncios de investimentos, no total de US$ 2,4 bilhões. O valor acumulado no ano representou avanço de 133% em relação a igual período de 2016.

Os serviços tiveram a maior participação no total do trimestre (39,1%). Mais da metade dos recursos diz respeito ao segmento de alugueis não imobiliários, abrangendo as inversões noticiadas por duas grandes locadoras de veículos sediadas em São Paulo, a Unidas Rent a Car e a Movida, para ampliação das respectivas frotas. Também destacaram-se as atividades imobiliárias, com a construção de um complexo multiuso em Campinas, pela Campinas 25 Empreendimentos Imobiliários.

Na indústria, que representou outros 31,4%, evidenciou-se o ramo de outros equipamentos de transporte, pelo anúncio da Embraer, referente ao desenvolvimento de nova geração de jatos E-Jets E-2, no complexo industrial de São José dos Campos. Já a inversão em metalurgia foi divulgada pela Paranapanema: ampliação de sua fábrica de tubos e conexões de cobre, localizada em Santo André.

Os investimentos em infraestrutura somaram 21,7%, destacando-se o segmento de eletricidade e gás, especialmente pelos recursos da AES Tietê para construção da usina fotovoltaica Complexo Solar Água Vermelha, em Ouroeste.

Os dois investimentos classificados em Outros setores vinculam-se à agricultura, envolvendo cana-de-açúcar. A Raízen destinou recursos para renovação dos canaviais de suas usinas sucroalcooleiras Santa Cândida e Paraíso, localizadas, respectivamente, nos municípios de Bocaina e Brotas. O grupo São Martinho, por sua vez, divulgou a instalação de infraestrutura de captura e processamento de dados para cobrir 300 mil hectares com 4G e conectar colheitadeiras, tratores e caminhões.

A distribuição regional dos investimentos no trimestre analisado revela que 41,2% das inversões destinaram-se à Região Metropolitana de São Paulo (US$ 990,3 milhões). Seguem-se, pela ordem, as regiões administrativas de Campinas (US$ 601,8 milhões), São José dos Campos (US$ 302,2 milhões), São José do Rio Preto (US$ 85,2 milhões), Santos (US$ 58,0 milhões), Araçatuba (US$ 44,5 milhões), Sorocaba (US$ 27,6 milhões), Ribeirão Preto (US$ 24,4 milhões), Central (US$ 3,7 milhões), Bauru (US$ 1,9 milhão) e Presidente Prudente (US$ 141 mil). Nesse quarto trimestre não foram confirmados investimentos específicos para as regiões de Franca, Barretos, Marília, Registro e Itapeva. Já o agregado Inter-regionais, no qual se incluem os investimentos que envolvem municípios de várias regiões, sem a discriminação do valor para cada uma delas, totalizou US$ 261,3 milhões.